sábado, 3 de junho de 2017

Observador

Vinte anos atrás,
o adolescente de hoje ainda não o era.
Ele hoje o é,
mas ainda não o sabe.

Hoje sei sobre os testes
aplicados sobre os erros.
Hoje um idiota graduado
esperando erros inéditos.

E observo sem interferir,
pois não sou página de busca.
Não sou confiável pra ensinar.
Sou professor apenas da minha história.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Paciência

Amanhecer é esperar pela noite
Sem atropelar ninguém
Sem atropelar as palavras
Sem falar do protocolo
Do qual ninguém fala
Melhor esperar alguém falar
Estou falando sem ponto nem vírgula

Deitar-se é conformar-se com a escuridão
A claridade do dia não passa na velocidade da luz
E a insônia não esclarece coisa alguma
O mundo é movido à paciência
Eu me movo rapidamente por dentro
E todos se movem lentamente 
Cada um em uma direção


quarta-feira, 19 de abril de 2017

Veneno

Eu sangrei menos
quando me passei por outro.
A hemorragia foi interna.
Agora, outro se passou por mim
e eu fiquei aqui sangrando.
Também fiz sangrar
a quem agredi.
Foi o tal tumor da ira.

Deve se sentir assim
o melhor assassino.
Quem melhor mata,
se mata aos poucos.

Melhor deixar passar
quem tem verdadeira pressa.
Melhor adiar o erro
já que o depois não existe.
Melhor ser melhor agora
enquanto eu sou eu.

A minha revolta pode ser eu.
O meu isolamento também.
A minha acidez e a careta.
O meu veneno também,
desde que eu não seja peçonhento. 

Apenas quem eu sou
já me faz pessoa inteira.
Não preciso sair do eixo. 
Sou lua cheia de fases.